segunda-feira, 22 de maio de 2017

Alta Roda (São Domingos de Rana)

Gosto de tascas! Gosto de casas simples, de comida caseira e do serviço familiar que a maior parte tem e que caracteriza as boas tascas! Não é só pelos preços baratos que as pessoas vão a tascas. É também pelo sentimento de proximidade e autenticidade que emitem mal lá entramos. Mesmo que o serviço seja algo demorado, que a comida não seja exactamente perfeita ou que o espaço não seja muito acolhedor, sentimo-nos perto de casa, sentimo-nos bem!
O Alta Roda é um pouco isto. Uma casa simples, com um espaço que não pode ser considerado exactamente acolhedor, um serviço lento mas onde a comida é boa (não excelente ou perfeita) e caseira!
Bom Cozido à Portuguesa, disponível à 5ª feira (se não me engano), com uma boa variedade de carnes, um bom arroz cozido com a água dos enchidos e uma dose que dá para 3!


Bastante bom, e bem servido, também estava o Arroz de Polvo! Caldoso qb, com muito sabor, e com o molusco a revelar alguma resistência aos dentes mas nada de preocupante. A única coisa que faltava para ficar no ponto certo foi o picante caseiro que pedi à parte e que tornou tudo muito melhor.


Uma casa que faz as coisas bem, pela certa e a um preço justo, sem andar com rodeios ou tentar inventar a roda.

Alta Roda
São Domingos de Rana, Portugal
Alta Roda Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Preço Médio: < 20 €
Data da Visita: 28 de Abril 2016

domingo, 21 de maio de 2017

Último Porto (Santos)

Há dias tive uma conversa onde me perguntavam qual o melhor local para comer bom peixe grelhado em Lisboa. E, por muitas voltas que tente dar, a minha conclusão para este tipo de pratos é sempre a mesma. Os melhores sítios para comer peixe grelhado são tascas! Esqueçam os restaurantes da Estrada do Guincho ou semelhantes. Para se comer bom peixe grelhado bastam apenas duas coisas: bom produto e boa mão na grelha.
Mas porque estou a excluir restaurantes que fujam da designação de tasca se podem ter estes dois aspectos? Porque sinto sempre que estou a pagar mais pelo peixe do que seria justo, principalmente quando comparo com sítios como o Vela Azul ou a Casa do Mar. Mas havia um sítio que me faltava experimentar, tido por muitos como o melhor para o efeito, o Último Porto!
Com o aproximar do Verão, os meus apetites para peixe grelhado aumentam e, como tal, nada melhor que um almoço num feriado para experimentar este restaurante, perdido entre contentores do Porto de Lisboa, mas alvo de verdadeiras peregrinações. Por saber quão cheio poderia estar o restaurante fiz a reserva no dia anterior mas, à chegada ao restaurante, houve um pequeno desentendimento com um funcionário que, de má vontade, não queria arranjar-nos a mesa para 7 pessoas que eu tinha marcado porque teria entendido que seriam 5. Felizmente, foi o único contacto não simpático que tive neste restaurante, pois todo o resto do serviço, que não voltou a envolver este senhor, foi fantástico e "castiço". Sou um fã deste tipo de castiço de tasca simpática, sempre com uma piada a jeito, mas que não descura a atenção que tem para com as suas mesas e que se enquadra perfeitamente no que este espaço é.
O tempo não estava fantástico mas bom peixe grelhado e meia dúzia de raios de sol pedem um jarro de branco fresco na mesa.


Começámos com umas simpáticas Chamuças, longe das melhores de Lisboa, mas competentes na sua fritura e no seu tempero.


O verdadeiro regalo começou com umas excelentes Amêijoas à Bulhão Pato. Grandes no tamanho e no seu sabor, com um molho que fez o cesto de pão rapidamente terminar! E não há melhor elogio do que fazer com que não sobre fatia de pão na mesa.


Tudo o que aqui se experimentou era excelente, tanto ao nível da qualidade da matéria prima como no seu ponto de confecção. Começa com a opção de escolhermos como o nosso peixe vai ser grelhado, inteiro ou escalado, e terminamos com o ponto de excelência com que o peixe chega à mesa com a pele estaladiça a revelar um fantástico e húmido interior.


As Ovas Grelhadas, outra das minhas perdições, também perfeitas. A única coisa que poderia ser melhor é a qualidade dos acompanhamentos. Tinha comido no dia anterior uns grelos excepcionais e estes ficaram aquém desses, tal como as batatas cozidas eram boas mas não fantásticas. Continuo a ser mais adepto de uma boa salada algarvia para acompanhar peixe grelhado.


O Bacalhau Grelhado, algo que facilmente se vê chegar à mesa seco e massudo, a apresentar-se fantástico, lascando facilmente e com o seu nível de sal a roçar o excessivo. A maior parte das doses aqui são bastante bem servidas e, para pessoas que comam menos, 2 doses poderão chegar para 3 pessoas, principalmente se optarem pelas obrigatórias amêijoas de entrada.


Não há muitos mais adjectivos que se possam utilizar para definir a forma como o peixe é aqui tratado e a Garoupa Grelhada não foi diferente. Excelente, impecável, irrepreensível!


Depois da qualidade (e quantidade) de tudo o que tinha sido experimentado, ainda vacilei um pouco perante a decisão de pedir ou não sobremesa mas acabei por ceder à tentação. Provei um bom Pudim Flan caseiro, não excessivamente doce.


E também um excelente Leite Creme, queimado com bastante qualidade na hora do pedido. Já por vezes apanhei restaurantes que queimavam em excesso, tornando todo o conjunto enjoativo mas aqui tinha apenas aquela crocante e fina camada por cima de um óptimo e saboroso creme.


Tirando o percalço inicial tudo correu de forma estrondosa! Saio do Último Porto percebendo que finalmente visitei um dos maiores redutos do bom peixe em Lisboa. E já não era sem tempo...

Último Porto
Santos, Portugal
Último Porto Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Preço Médio: < 20 €
Data da Visita: 25 de Abril 2017

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Akla (Marquês de Pombal)

Graças a um convite da Zomato, tive a oportunidade de ir conhecer o restaurante Akla, localizado no hotel InterContinental Lisbon. Já tinha ouvido falar deste espaço noutros blogs, e tinha ficado com o mesmo referenciado mas, como em muitos outros restaurantes, a oportunidade de o conhecer ainda não tinha surgido. E para os muitos que possam estar a ler este texto com a ideia de que os restaurantes de hotel são todos um tourist trap gigante, este é um daqueles capaz de vos fazer mudar de ideias. Sim, a verdade é que ainda existe muito esta ideia em Portugal, principalmente em Lisboa, mas está na altura de mudar esta mentalidade, pois cada vez são mais comuns os bons restaurantes que encontramos localizados em hóteis lisboetas.
Em meados de 2016, o InterContinental Lisbon chamou Eddy Melo, chef açoriano que passou grande parte da sua vida no Canadá, para liderar a cozinha do seu novo restaurante Akla (ou أَكْلة em árabe, traduzindo-se para "refeição" ou "comida"). Isto traduziu-se numa cozinha bastante internacional, com influências de todo o mundo, mas com algum foco em fazer chegar à mesa bons produtos portugueses (e não só), seja nas ostras da Ria Formosa, o atum de São Miguel ou no tomate do Ribatejo.
Uma das vantagens de jantar num hotel em Lisboa, é a forte probabilidade de o restaurante não estar cheio e conseguirmos ter um serviço mais atencioso e presente. No dia da visita, uma sala a meio gás, onde nós éramos os únicos portugueses, o serviço esteve realmente bastante presente (talvez até um pouco demais) mas sempre prestável, simpático e preocupado com o decorrer da refeição. O único aspecto que não gostei muito na sala foi a distância entre o assento circular (aparentemente fixo) onde estava sentado e a mesa, fazendo com que tivesse de me chegar muito à frente para conseguir comer. Claro que isto pode ser derivado da minha baixa estatura mas ainda assim parece-me um local mais confortável para beber algo e pôr a conversa em dia do que fazer uma refeição.
Bebidas essas que estiveram presentes na refeição em forma de cocktails. Por feliz acaso, esta visita decorreu durante a Lisbon Cocktail Week, e conseguimos provar dois dos cocktails preparados especialmente para o evento.

Mish Mash (Fever Tree Ginger Beer, Lima, Limão, Laranja, Manjericão, Xarope de Açúcar, Sumo de Maçã)
Le Bataclan (Jinzu Gin, Licor de Ervas, Colis de Frutos Vermelhos, Sumo de Limão, Xarope de Açúcar, Clara de Ovo, Champanhe)
A refeição iniciou-se com um Couvert excelente, composto por 4 óptimos pães (que me pareceram: Pão de Cebola, Pão Tigre, Focaccia de Azeitona e um Pão mais escuro que não consegui identificar do que era) e um excelente azeite Herdade do Esporão. Os pães foram realmente um início de refeição auspicioso, pela sua qualidade e diversidade, tornando-se de tal forma viciante que penso que seríamos capazes de fazer uma refeição inteira só disto. Como se não bastasse o quão bom eram, ainda nos substituíram o cesto com uma nova fornada ainda antes de chegarem as entradas.


O couvert neste dia incluía um amuse bouche bastante agradável, com uma Salada de Quinoa com Salmão Fumado. Bastante simples e equilibrado.


Nas entradas, e com muitas e apelativas opções por experimentar, optámos por seguir o nosso instinto pedindo um excelente Tártaro de Vazia, Ovos de Codorniz, Cebola Caramelizada e Maionese de Anchovas do Atlântico. Tudo ligava bastante bem, e a apresentação era irrepreensível, mas aquela maionese fazia toda a diferença no prato e elevava-o para um nível quase excêntrico!


A matéria prima do Akla é de facto fantástica, como se pôde comprovar no Ceviche de Atum de São Miguel com Molho Tigre, Abacate e Agulhas do Mar. Somos de facto o país com o melhor peixe do mundo e ao apanhar atum desta soberba qualidade aqui só me fez questionar o porquê de muitos restaurantes de sushi servirem atum de tão baixa qualidade. Excelente toda a preparação, ainda que o leche de tigre estivesse muito mais suave do que é habitual nas preparações peruanas, mas acaba por encaixar bem no atum. Excelente adição também do pimento, algo que também foge à preparação tradicional peruana mas que encaixa bem no palato português.


Sabores claramente portugueses foi o que encontrámos no Risotto de Grelos, Camarão Grelhado e Burrata DOP. Excelentes os grelos, a brilharem acima de tudo o resto, com um arroz bem cozido e os camarões saborosos a ajudarem o conjunto. O único elemento que parecia estar eclipsado era a burrata, que acabava por não se conseguir destacar o suficiente contra os sabores mais fortes dos grelos e do camarão.





Não podíamos visitar o Akla sem experimentar uma das suas carnes maturadas, cozinhadas no Josper, um forno a carvão que permite dar as propriedades fumadas duma típica grelha a carvão, mas também cozinhar de forma uniforme como num forno convencional. Excelente o Entrecôte Maturado, ainda que visualmente o tipo de corte mais parecesse vazia do que entrecôte (devido à camada de gordura localizada numa das extremidades), mas não percebo o suficiente sobre cortes de carne para ter a certeza disto. Portanto, resta-me comentar o excelente sabor que a carne tinha e o ponto perfeito em que vinha cozinhado, mal necessitando do uso da flor de sal que vem na tábua. Realmente fantástico!




O acompanhamento escolhido para acompanhar a carne é que não se mostrou à altura da proteína. A Abóbora Assada com Presunto fumado e Queijo Fresco estava demasiado unidimensional, o que é algo surpreendente quando um dos ingredientes é presunto!





Acabámos a refeição em grande estilo, com um excelente Mil-Folhas de Baunilha, Frutos Vermelhos e Sorbet de Morango, onde tudo apresentava uma execução impecável. Excelente a opção de frutos vermelhos e sorvete de morango para ir cortando com a riqueza do creme de baunilha.





Com os cafés, umas boas mignardises, ainda que não conseguisse identificar nenhum sabor predominante em nenhuma delas.





Não é um sítio para ir todos os dias mas a verdade é que é uma excelente opção para se jantar fora e está ao nível dos melhores restaurantes de Lisboa, nesta gama de preços! 


Akla
Lisboa, Portugal
Akla Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Preço Médio: < 60 €
Data da Visita: 24 de Abril 2017

terça-feira, 16 de maio de 2017

Casa do Mar (Rebelva)

Um clássico no (já muitas vezes por mim referido) "eixo da Rebelva" e, para mim, o primeiro instigador de se ver acumulações de gente nesta zona. O restaurante existe há muitos anos e sempre com uma ementa virada para o mar (como é lógico pelo nome) e um prato do dia disponível à discrição, tudo a preços muito justos! O que causa verdadeiras marés de pessoas desde que o restaurante abre até que fecha, sendo normal ver 10 ou 20 pessoas à porta do restaurante à espera, principalmente na época da sardinha.
Bem, e o que se come aqui? Bons produtos marítimos, pois claro! Maioritariamente grelhados (sempre de forma exemplar) e a um preço mais baixo do que é costume encontrar, como foi o caso destas óptimas Ovas Grelhadas.



Um verdadeiro clássico na Casa do Mar é o seu Choco Frito! Um dos principais motivos para me fazer deslocar a este restaurante é o facto da sua qualidade não estar nada longe do que se pode encontrar perto do Sado. Melhor, é ser servido com um malandro arroz de tomate, sempre perfeito na sua acidez e normalmente também no ponto de sal (apenas da última vez não estava). Muito melhor do que as batatas fritas que se costumam encontrar a acompanhar choco frito!



Um tasco do Mar! É a melhor descrição para este restaurante, com tudo o que de bom pode advir dessa definição. E, muito sinceramente, os melhores sítios para se comer peixe grelhado são este tipo de tascos!

Casa do Mar
Largo da Rebelva
Rebelva, Portugal
Casa do Mar Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Foodspotting
Facebook
Preço Médio: < 20 €
Data da Visita: 30 de Abril 2016

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Ferro Velho (Amora)

As idas à Margem Sul, de forma propositada para uma refeição, são raras, para não dizer inexistentes. Não é que não seja um sítio interessante, ainda que incomparável com a cidade de Lisboa e seus arredores, mas não é uma "margem" para descurar quando estamos a considerar ir comer fora.
Por ocasião de uma ida ao Freeport, ou algo semelhante (já não me recordo bem), decidiu-se fazer o desvio no regresso para ir a um restaurante na Amora, perto do Seixal, que tem como especialidade a Carvoada! Para todos os que acham ridícula a ideia de ir comer fora e cozinhar a sua própria comida, podem parar de ler aqui. Se não são fãs de bifes na pedra ou fondue, por exemplo, não acredito que este prato seja do vosso agrado.
Mas já lá vamos porque a refeição não foi directa para a Carvoada, ainda que não tenham existido grandes preliminares, pois estávamos todos a guardar-nos para o prato principal. Ainda assim, houve tempo e espaço para um bom couvert, composto por um cesto de pão, Pão Torrado e um excelente Queijo de ovelha.



Mas, afinal, o que é uma carvoada e o que tem de tão especial? Consiste num pequeno grelhador de mesa a carvão, onde podemos cozinhar a carne disponibilizada a nosso bel-prazer. É realmente notável como este tipo de pratos existem um pouco por todo o mundo, com o caso português (tradicional da zona de Porto Brandão) da carvoada, o suiço fondue, o hot pot chinês, o japonês shabu shabu, o barbecue coreano ou como uma das refeições que fiz na minha estadia em Istambul (falarei disso daqui a uns tempos). Basicamente, são pratos que assentam na necessidade humana do fogo e calor, reunindo família e amigos à volta da mesma fonte calor e de comida. Algo que é transversal a qualquer cultura, um pouco por todo o mundo! E isto é o que de tão especial pode existir numa carvoada. A maior interacção entre as pessoas da mesa, nem que seja no simples movimento de arranjar espaço no grelhador de pequenos pés (e ar instável) que servia como peça de centro da mesa. Porque, de resto, é carne grelhada (de boa qualidade) e bem temperada, grelhada a gosto! Não há muito que errar aqui principalmente quando os acompanhamentos são também eles decentes... 



Erraram realmente foi no Cheesecake, ao falharem completamente o ingrediente principal, o queijo, que aqui pareciam ser única e exclusivamente natas. O resto dos componentes até pode ser simpático mas quando me falham um cheesecake neste ponto fulcral então não há muita volta a dar.


Bem melhor o Leite Creme, principalmente no que a sabor dizia respeito, ainda que a caramelização superior pudesse ser um pouco mais intensa, mas cumpria os requisitos mínimos para dar textura à sobremesa!


O restaurante tem mais opções do que a Carvoada mas este parece ser o prato icónico do sítio. O problema aqui é o preço que é praticado pela carvoada, pois ainda que a carne seja boa não é de excelência!

Ferro Velho
Amora, Portugal
Ferro Velho Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Preço Médio: < 30 €
Data da Visita: 12 de Março 2016

domingo, 14 de maio de 2017

São Pedro 26 (Sintra)

Quando fui trabalhar para a zona da Beloura andei à procura de bons locais onde almoçar, tendo acabado por me deparar com este São Pedro 26. Uma ementa de referências internacionais extremamente cativante fazia as delícias dos meus olhos mas a visita tardava em acontecer.
O sítio não é fácil para estacionar, só está aberto para jantares às sextas e sábado, os preços não são baixos para um almoço semanal, ainda que se considerarmos a carta de forma independente da hora da refeição, todos os preços se tornam muito mais atractivos! Mas acho piada a ver numa só ementa Ovos Benedict, Polvo Confitado, Tonkatsu e outros... Parece uma cozinha de influências internacionais sem identidade definida, mas até que ponto isto pode afectar a qualidade do que servem?
Aparentemente nada visto que comi uns excelentes Ovos Benedict! Cozinhados na perfeição, acompanhados com um óptimo e bem balanceado molho holandês, umas boas fatias de salmão fumado e bons grelos cozidos. Pode parecer um prato de pequeno-almoço mas encheu-me perfeitamente as medidas para um almoço semanal.



Muito bons também os Filetes com Arroz de Coentros. Bem fritos e bastante húmidos no seu interior acompanhados por um solto e saboroso arroz e uma bem temperada salada.



Um sítio excelente para almoçar devido à variedade e excelente qualidade que apresentam. A juntar a isso os pratos apresentam um preço bastante justo se pensarmos que estamos a comer à carta, acabando um almoço por ficar a menos de 15€.

São Pedro 26
Sintra, Portugal
São Pedro 26 Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Preço Médio: < 20 €
Data da Visita: 8 de Março 2016

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Curtas #14: Selfish (Alcabideche - CC CascaiShopping)

Já falei várias vezes por aqui em como considero que o paradigma da fast food e dos food courts dos centros comerciais está a mudar. Temos propostas cada vez mais atractivas e a fugir do "habitual". Uma das primeiras propostas que me lembro ver aparecer assim diferenciadora foi o Selfish. Com uma ementa virada para o mar, onde podemos escolher a preparação que nos agradar (hambúrguer, tártaro, grelhado ou braseado) e depois escolher um peixe entre os disponíveis para o que escolhemos.
Na primeira visita senti-me seduzido pelo Lombo de Atum Braseado com Sementes. Bem marcado e selado, com cerca de 2 milímetros cozinhados e o interior completamente cru (e ainda bem!), leva depois um molho teriyaki (apesar de teriyaki ser uma forma de cozinhar, começou a ser normal chamar teriyaki a um molho de soja e saké) por cima que não ajudou o atum, de qualidade decente, a brilhar, devido ao seu sabor intenso.


Acompanhou com uma bem temperada salada e umas boas batatas assadas com rosmaninho.
O problema do Selfish pode ser o facto de sair um pouco mais caro do que a maior parte das pessoas está disposta a gastar numa refeição num centro comercial. Mas, estamos a falar de peixe de qualidade bastante aceitável e bem trabalhado por isso é natural o seu preço e a sua qualidade justifica-o.

Selfish
Alcabideche, Portugal
SelFish Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Preço Médio: < 20 €
Data da Visita: 7 de Março 2016