domingo, 10 de dezembro de 2017

Nó de Gosto (Tavira)

Antes de avançarem muito na leitura deste texto quero deixar bem claro que sou sempre imparcial em tudo o que escrevo. Independentemente se paguei pela refeição ou não (pois há refeições para as quais sou convidado), se usufrui de algum tipo de desconto, se é um restaurante de um amigo ou, como neste caso, o restaurante do meu próprio pai.


Achei por bem avisar-vos antes de começarem esta leitura para que possam tirar as vossas próprias conclusões tendo todos os factos na mão. Factos esses que começam há alguns meses atrás, quando o meu pai decidiu deixar a vida empresarial, tirar um curso intensivo de cozinha e abrir um pequeno restaurante de petiscos na fantástica vila de Tavira. 


Todo o conceito foi desenvolvido pelo meu pai, Vítor, e pela sua sua esposa, Maria João, ficando o primeiro encarregue da cozinha e o segundo da sala. Uma ementa algo extensa, baseada sobretudo em petiscos com um nível de originalidade bastante engraçado, e uma longa carta de conservas, disponíveis para consumo no restaurante ou para levar para casa.


Tendo passado alguns dias em Tavira, tive a oportunidade de provar grande parte da carta, tendo ficado bastante satisfeito com a qualidade da comida que aqui se serve bem como do serviço de sala. Foi ainda a minha primeira experiência do "outro lado do espelho", tendo estado 2 serviços de jantar a servir à mesa, acabando por perceber melhor algumas das dificuldades que se pode enfrentar nesta profissão, tornando-me mais tolerante a algumas coisas que se possam passar futuramente (mas também menos tolerante a outras)!


Um dos pratos mais marcantes deste espaço, tendo entrado agora na nova carta de Outuno-Inverno, foi a Chora, uma sopa feita com caras de bacalhau, servida a bordo dos navios da Frota Portuguesa do Bacalhau, representando muito da cozinha de reaproveitamento que tanto nos caracteriza e, principalmente, um prato que o meu avô fazia e que nunca vi ser servido em nenhum restaurante! 


A maior parte da cozinha do Nó de Gosto assenta em sabores tradicionais portugueses, em conjunções aparentemente simples mas saborosas como o Bacalhau Fumado com Queijo Creme e Endro.


Ainda na senda dos pratos com bacalhau, as Lascas de Bacalhau com Puré de Grão e Espinafres relembram-me o bom que a comida portuguesa realmente é, ainda aqui com um empratamento que foge ao tradicional mas ajuda a ligar em cada garfada as 3 componentes presentes.


Em muitos dos meus almoços ou jantares de família é servido este Chouriço à Camões, um chouriço cozinhado com vinho tinto e sumo de laranja. É servido há tanto tempo que não me recordo de onde, como ou porquê esta receita entrou na nossa vida mas a verdade é que não mais saiu.


Se a Chora foi o meu prato favorito, pela evocação de sabores familiares que nos comovem e fazem recordar, a Batata-Doce com Pá de Borrego e Alecrim Fresco foi sem dúvida o mais surpreendente. Uma pá de borrego cozinhado durante várias horas, sendo depois desfiada, colocada em cima de uma fina fatia de batata-doce e uma fina fatia de tomate Coração-de-Boi e terminada com alecrim fresco. Um prato bastante completo e equilibrado, que provoca o nosso palato com os seus toques doces, salgados e ácidos.


Ainda no campo dos torricados, excelente combinação neste de Cebola Caramelizada, Queijo dos Açores e Tomilho Fresco, onde mais uma vez vários pontos do nosso palato a serem estimulados ao mesmo tempo.


Excelentes também os Ovos Beneditinos, com o pão ligeiramente torrado a servir perfeitamente de base para um excelente presunto, bons espinafres, um ovo escalfado cozinhado na perfeição e um molho com aquele toque de acidez essencial! Ah, e como bónus, está disponível a qualquer refeição do dia!


A influência da maior parte da ementa é portuguesa, mas muitos dos pratos levam alguns twists que os tornam ainda melhores do que estamos habituados, caso da Muxama Extra, um simples prato com uma excelente muxama (lombo de atum seco, o presunto dos mares), um bom queijo de cabra fresco e uma óptima compota picante para elevar a prato a um nível estratosférico. Como muita da cozinha do Nó de Gosto, simples mas com muito sabor.


As Bochechas de Porco SV (cozinhadas em sous-vide durante 6 horas!) é outro dos pratos que mais me impressionou. Excelente textura nas bochechas, a desfazerem-se facilmente ao toque, regadas com um guloso molho e acompanhadas por dois bons purés, um de castanhas e um de maçã, e com um ligeiro picante dado pelo chutney de malagueta. 


A cozinha do Nó de Gosto passa, como já referi várias vezes, pela simplicidade de alguns pratos mas que contenham muito sabor. Ora bem, tal não era possível também sem que houvesse qualidade nos ingredientes e onde podemos testemunhar facilmente isso é nos Cogumelos do Cardo (Pleurotus Eryngii), com uns saborosos e carnudos exemplares simplesmente salteados e terminados com soja.


Outro dos pratos da nova carta do Nó de Gosto, retrata alguma da melhor comida de conforto portuguesa. Uma das coisas que mais gosto de comer com o tempo frio são bons estufados e guisados. Pratos quentes e que nos aquecem a alma, como estas Favas com Choco.


Podem terminar uma ronda de petiscos com o Prego de Atum, simplesmente braseado com sementes de sésamo, temperado com um pouco de soja e servido num bom pão de alfarroba. Impressionante a qualidade do atum, a não colocar qualquer oposição às dentadas que vorazmente lhe desferi. 


Para acompanhar o Prego de Atum, umas Batatas-Doce Fritas bastante competentes.


Isto já vai longo, mas a verdade é que as sobremesas são também um importante capítulo nesta casa. Vão variando ao longo dos dias por isso o ideal é perguntar o que há ou deixarem-se levar pelas sugestões da casa. Tive a oportunidade de provar algumas cujo registo fotográfico lamentavelmente falhou, como o Bolo Semifrio de Chocolate Picante ou uma óptima Mousse de Marmelo. Tentei compensar garantindo o registo de um óptimo Folhado de Tavira, um bolo típico desta zona algarvia.


Outro item que está sempre disponível são as Panquecas com Fruta Fresca, que podem terminar uma refeição de petiscos ou um brunch composto pelos Ovos Beneditinos!


Pode parecer um texto bastante imparcial mas a verdade é que fiquei realmente agradado com a comida que experimentei! Gostei do espaço, do conceito e da ementa diferente de tudo o que se pode encontrar nas redondezas. Não fiquem iludidos, sei que não é perfeito mas vejo bastante potencial e força de vontade de trabalhar alguns aspectos que possam não estar ainda tão oleados. E, agora numa nota muito pessoal e parcial, isso deixa-me cheio de orgulho no que aqui se produz, acreditem! 

Nó de Gosto
Tavira, Portugal
Preço Médio: < 20 €

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Taxca (Porto)

Este espaço abriu, em 2013, na Baixa do Porto, trazendo consigo todo o hype pertencente a uma das tascas mais icónicas do Porto, a Badalhoca! 4 anos depois, e na ressalva da abertura do seu terceiro espaço, os donos da Badalhoca original (é demasiado fácil fazer trocadilhos com o nome do local!) decidiram defender a sua honra proclamando, através de um artigo de rectificação na Evasões (aqui), que a única e verdadeira sandes da Badalhoca, continuava a ser servida exclusivamente no espaço original.
Por motivos profissionais, estive durante algum tempo na cidade do Porto, aproveitando para tentar conhecer alguns dos melhores e mais carismáticos restaurantes da Invicta. Não conseguindo ir à Badalhoca original, por questões logísticas, decidi fazer a minha primeira refeição no Porto no local que se promove como uma segunda casa Badalhoca. A decoração e a ementa parecem ser muito semelhantes, mas acaba por ser uma tasca com um ar bastante clean até.
E não podemos falar em Badalhoca, seja ela qual for, sem falar nas suas sandes de presunto! Não tendo um termo de comparação directo é complicado saber se está ao nível da casa mãe, mas a Sandes de Presunto com Queijo da Serra é um digno representante com o seu bom pão (tipo carcaça), um bom presunto (bem cortado e atendendo ao preço da sandes, com uma excelente relação qualidade-preço) e uma generosa fatia de queijo da serra, que ficaria bem melhor se estivesse num estado mais liquefeito. 


A variedade de sandes é grande mas decidimos também provar alguns dos petiscos servidos na casa, como umas simpáticas Moelas, com um molho apetitoso mas que, para mim, poderia ter notas mais picantes!


A Punheta de Bacalhau, que faz muito mais sentido quando servido numa casa Badalhoca (eu tento conter-me mas há vezes que não resisto), também cumpriu bem o seu propósito ao encher-nos o bandulho destes sabores tão bons e tão portugueses.


A única coisa que não deslumbrou, ainda que não tivesse desgostado, foi o Bucho. Primeiro, porque estava à espera da sua versão recheada e não desta salada fria que nos remete para as saladas de orelha. E segundo, porque lhe faltava um pouco mais de sal, sendo um prato com pouco sabor.


A Taxca não deslumbrou mas serviu perfeitamente como cartão de visita mostrando que no Porto se come bem e a preços bastante justos. Fica a curiosidade para a casa original, tendo que ficar para outras núpcias, mas a verdade é que o nível de acessibilidade desta Badalhoca da Baixa facilita muita coisa.

Taxca
Porto, Portugal
Taxca Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Preço Médio: < 10 €
Data da Visita: 7 de Agosto 2017

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Butchers (Parque das Nações)

Torço sempre um pouco o nariz à ideia de repetir restaurantes, principalmente se for num curto espaço de tempo. Por isso é que este texto pode soar algo estranho, visto que visitei o Butchers em dois dias consecutivos! Isto já vos diz muito da ideia com que fiquei do restaurante, ou não?
Assim que entramos no restaurante temos o impacto de nos depararmos com o frigorífico onde a carne é maturada, visto que este processo é feito in-house e sem vergonha nenhuma de o mostrar, o que é de louvar! Não é que seja algo que se deva esconder mas a falta de informação de muitas pessoas até as poderia levar a olhar para as peças de carne maturada com alguma desconfiança devido à cor mais escura, mas isso faz parte do processo que vai aprimorar uns já bons cortes de carne.


Visto terem sido duas visitas, vou-vos falar do que experimentei como se de uma ementa se tratasse, começando pelas entradas, avançando para os pratos principais e terminando nas sobremesas.
Bastante bom o Carpaccio de Carne de Vaca com Rúcula e Parmesão, de corte fino e regular, onde apenas faltava um pouco mais de tempero na carne em si, pois apenas o queijo e a rúcula não chegaram para temperar todo o prato.


O prato de Presunto Castro Y González a cumprir na perfeição o seu propósito de abrir os apetites dos comensais. Bem cortado e bem curado, sem nada a apontar.


Também os Croquetes eram bastante bons, ainda que longe de serem os melhores já experimentados. Boa fritura mas com o recheio a precisar um pouco mais de sabor, mesmo quando ajudados pela mostarda.


O Butcher Steak (maturado a 35 dias, como quase todas as carnes presentes na carta), também conhecido como Hanger Steak ou Skirt, é um corte muitas vezes menosprezado, dizendo-se até que os antigos talhantes os guardavam para si, não os colocando à venda. Isto porque é um corte menos tenro que o normalmente apreciado pela maior parte da população mas a verdade é que não perde em nada quando a sabor nos referimos e comparamos com outros cortes mais famosos. Aqui, muito devido à sua maturação, nem a textura se revela um problema com a carne a apresentar-se macia e cozinhada no ponto pedido.


Excelente também o Entrecôte ainda que, devido à temperatura pedida, não seja possível a total caramelização da gordura que o corte apresenta. Mas o sabor está todo lá e mais uma prova dada que no Butchers a carne é tratada com o devido respeito.

O Cowboy Steak é um corte que, à semelhança do Butcher Steak, não estamos muito habituados a ver por Portugal, mas traduz-se facilmente para um Ribeye ainda com osso, servido numa dose gigantesca para dividir por 2 pessoas! Mais uma vez, o ponto da carne não falhou e apenas apreciaria ver o osso melhor limpo pois estava num dia algo preguiçoso e não me apeteceu a roer toda a deliciosa carne que ainda a ele estava agarrada. Mas recomendo que o façam! Um dos pontos que considero bastante favoráveis na forma do Butchers servir a sua carne é o facto de a tábua trazer sal para que possamos acabar de temperar a carne a nosso gosto. Existem muitos restaurantes que parecem ter medo de meter sal na carne e esta é uma óptima alternativa.


Um dos motivos que me levou a voltar a este restaurante dois dias consecutivos foram as Batata Doces Fritas servidas como acompanhamento. Ainda que não haja registo fotográfico, da minha parte, que as destaque com o devido valor, a verdade é que foram as melhores que já experimentei! Vale a pena a visita só por estas batatas!
E se tudo tinha corrido bem até agora, as sobremesas conseguiram manter o nível alto e até algo surpreendente, com uma Mousse de Abacate de textura perfeita onde a doçura é maioritariamente conferida pela redução de vinho branco e mel com aguardente de cana.


Excelente também as texturas contrastantes do Cheesecake de Lima, com um creme suave e uma bolacha que se esfarela em crocância (sim, esta palavra existe!). Bons também os sabores equilibrados, principalmente do creme.


Por último, uma óptima Mousse de Chocolate com Pimenta Rosa, uma combinação que, não sendo nova, não deixa de trazer sempre algo positivo a esta clássica sobremesa.


O serviço é competente ainda que melhor na 1ª visita do que na 2ª, também devido à localização mais escondida da mesa. Houve inclusive um pequeno esquecimento dos Croquetes, que também foi prontamente corrigido com profissionalismo e simpatia!
A relação preço qualidade é mais do que justa, estando nós perante uma das melhores steakhouses da cidade de Lisboa, sem dúvida alguma!

Butchers
Lisboa, Portugal
Butchers Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Preço Médio: < 30 €
Data das Visitas: 1 e 2 de Agosto 2017

domingo, 15 de outubro de 2017

Tasquinha do Lagarto (Campolide)

A ausência foi longa, visto que o último post foi lançado no dia 29 de Agosto, mas muitas coisas aconteceram na minha vida que me forçaram a algumas mudanças imprevistas. Isto, logicamente, teve um impacto negativo no meu ritmo de escrita e, por isso, vos peço desculpa pela paragem. Ainda estou a tentar encontrar um ritmo que se encaixe nas alterações que surgiram na minha vida pessoal e profissional, e não sei quanto tempo demorarei até vos pôr a par de tudo o que visitei nestes últimos meses (e ainda vos estou a dever alguns locais de 2016!).
Como tal, para que tente voltar à regularidade nos posts tentarei reduzir bastante o tamanho dos textos, focando-me principalmente nos pontos centrais e mais marcantes de cada local.
Para vos voltar a entusiasmar, depois deste hiato, trago-vos uma das tascas mais típicas de Lisboa, e onde melhor se come! Ali para os lados de Campolide, a Tasquinha do Lagarto distribui cartas na restauração lisboeta desde que me lembro de começar a ter esta paixão pela restauração.
Num almoço semanal tive a oportunidade de provar umas boas Pataniscas de Bacalhau, ainda que um pouco oleosas mas de bom e saboroso recheio, e com uma textura leve e fofa.



Excelente o Entrecosto no Forno, com a carne a soltar-se facilmente do osso numa junção de sabores fortes mas equilibrados.



Acompanhou tudo com um fantástico Arroz de Feijão, dos melhores que se pode comer na cidade de Lisboa!



Para uma próxima visita, não me escapará o Arroz de Garoupa, apenas disponível às 6ªs e sábados pelo que sei. O espaço não é muito grande e a afluência de pessoas é enorme por isso aconselho a visita com reserva feita!

Tasquinha do Lagarto
Lisboa, Portugal
Tasquinha do Lagarto Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Preço Médio: < 20 €
Data da Visita: 1 de Agosto de 2017

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Grelhas (Guincho)

Por ocasião de um jantar de aniversário fui conhecer o Grelhas, na Casa da Guia, mesmo antes da recta do Guincho. A ideia que tenho da Casa da Guia é que muitos dos seus restaurantes têm ementas com valores acima da média pela localização, a fantástica vista e renda alta que devem pagar neste local. Ou seja, para me levar a ter curiosidade sobre um sítio, é necessário que ele tenha algo realmente diferenciador, caso contrário é possível que só o visite se for de arrasto.
Sendo um jantar de aniversário, o menu pré-definido escolhido foi o de 25€ composto pelo couvert, entrada, prato (1 à escolha entre 4), sobremesa (1 à escolha entre 2), bebida à discrição (água, cervejas, refrigerantes, vinhos e sangrias durante a refeição) e café.
A entrada são uns Bolinhos de Bacalhau com Maionese de Pimento que pecava por, estranhamento face aos ingredientes descritos, ter sabores demasiado suaves. Faltava ali um pouco de mais alma e mais vida, ainda que a fritura estivesse boa, mas o recheio em si precisava de algo mais.


A escolha para prato principal recaiu sobre o seguro Bife à Portuguesa, um bife do que me pareceu alcatra, chegado à mesa médio-bem, ou seja, acima da temperatura desejada, numa pequena poça de um molho algo insípido e com uma pequena fatia de presunto que era, claramente e infelizmente, o melhor em todo o prato. 


Depois do prato principal não sabia bem o que esperar da sobremesa mas o Cheesecake de Maracujá conseguiu ainda assim deixar uma boa nota final. Bom creme, bom topping mas com a base a apresentar-se demasiado molenga e a não dar qualquer contraste de textura.


Não considero que tenha sido uma refeição fantástica, nem que justificasse o preço do menu por outra razão que não a localização. Se a qualidade da comida conseguisse acompanhar poderíamos estar perante um bom local para jantares de amigos "adultos", sem aquela procura incessante do restaurante onde podemos encher a barriga e beber até cair por algo que ronde os 15€. 

Grelhas
Guincho, Portugal
Grelhas Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Preço Médio: < 30 €
Data da Visita: 3 de Setembro 2016

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Sushiway (Parede)

Não sei há quanto tempo existe este restaurante na Parede, mas tenho ideia de já o ver lá há uns anos. A curiosidade nunca tinha sido grande, a fama não era a suficiente para me suscitar curiosidade, as palavras lidas pelas internets eram poucas ou inexistentes e, mesmo com a chegada da Zomato, nunca olhei para este restaurante como uma opção interessante. Até ao dia em que estava na zona e apetecia sushi, criando-se assim a oportunidade ideal para conhecer o espaço e um sushi que até tem umas reviews positivas.
O Sushiway é bastante conhecido pelo seu Festival de Sushi, um serviço em que nos deixamos entregues nas mãos do sushiman para um Hot Roll + Sushi to Sashimi variado (até um máximo de 30 peças por pessoa) por um valor inferior a 20€/pax. Ando cada vez mais desiludido com este tipo de serviço, em que nos deixamos ir nas mãos dos responsáveis pela cozinha por um preço apelativo. 
Aqui decidi escolher à carta, sabendo que isso ficaria mais caro, mas tendo eu a liberdade de escolher o que quiser comer. Ainda que isso não tenha ficado muito longe do que é o Festival de Sushi... mas aí a culpa já é minha.
Começámos a refeição com uma Sopa Miso Shitake irrepreensível, onde se notava a profundidade do caldo, reconfortando o estômago com todo o umami lá presente. Excelente início de refeição e a colocar as expectativas altas.



Também muito bom o Hot Ebi Roll que está incluído no Combinado Sushiway de 38 peças. Exterior perfeitamente frito, sem um pingo de gordura a mais, com um nível de criatividade médio mas de boa execução.



Mas o principal, as 30 peças restantes do combinado, foram uma desilusão! A qualidade do atum deixa muito a desejar, principalmente nas fatias de atum braseado que serviram. Felizmente o salmão já era decente, mas a variedade de peixe acabava aqui! Tanto os uramaki como os gunkans eram simplesmente banais. Tirando um rolo com um bom apontamento de feijão verde em tempura, tudo o resto roçava a mediocridade. O arroz era medíocre, a creatividade idem (algo essencial se querem fazer sushi de fusão) e a execução não fugia à regra.



No outro dia visitei um Sakura, e a conversa fluiu para o facto de já ter ficado bem melhor impressionado com o Sakura do que naquele momento. Mas na altura em que ficava impressionado, era uma altura em que os meus padrões de qualidade ainda se estavam a descobrir. Aliás, nunca param de se descobrir! Mas, tal como o tempo é irreversível, também aquilo que para mim ontem era bom sushi, hoje pode já não o ser por ter conhecido algo melhor. E, tal como no tempo, quando isso acontece é impossível voltar atrás. Talvez houvesse um tempo em que poderia achar o sushi do Sushiway alguma coisa boa e inovadora, mas hoje, acho-o só medíocre e banal. Excepto a sopa! A sopa era mesmo muito boa!

Sushiway
Parede, Portugal
Sushiway Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Preço Médio: < 30 €
Data da Visita: 19 de Agosto 2016

domingo, 27 de agosto de 2017

Carniceria (Alcabideche - CC CascaiShopping)

A moda de renovação dos mercados, tornando-os em espaços gastronómicos e não apenas comerciais, não se ficou pelas ruas. Também em Centros Comerciais estamos a assistir a revoluções de conceitos, ideias e ofertas, sendo o consumidor final que ganha com esta maior variedade e qualidade. No CC CascaiShopping, uma das suas áreas de restauração foi completamente remodelada, tornando-se quase como um espaço independente dos restantes, pelas mesmas pessoas que exploram o Mercado de Campo de Ourique.
Ou seja, muitas das ideias desse Mercado estão aqui replicadas, inclusive a questão de concorrência entre concessões. Ou seja, carnes na Carniceria, peixe na Malha, sushi na Tasca Japonesa, italiano no Envolto, petiscos no Alhos e Bugalhos, etc.
O espaço do Cascais Kitchen está muito giro. Sem aquela ideia completa de food court, acaba por dar um ar mais confortável e mais convidativo que as tradicionais zonas de restauração existentes por esses centros comerciais fora.
Nesta visita optei pela Carniceria, pois estava com apetite para um belo naco de carne. As opções andam entre 4 diferentes cortes bovinos, 2 cortes suínos, bife de frango ou hambúrgueres, podendo ainda optar entre prato e bolo do caco nalguns destes itens. 
O Bife de Frango revelou-se algo desinteressante, com o típico problema de ser cozinhado até ficar seco e sem que tivesse grande sabor, nem mesmo ajudado pelo molho de manteiga ghee (manteiga clarificada). Os acompanhamentos (que coincidiram nos dois pratos experimentados mas pode-se optar entre Batatas em Gomos, Arroz Thai ou Salada Ibérica com Tomate Cherry) melhores, com as batatas a não serem grandes demais e apresentando-se com o exterior estaladiço e a salada refrescante e bem temperada.


O Entrecôte foi uma boa surpresa. Não sei bem do que estava à espera mas a comparação com exemplares anteriores é inevitável. Ainda que não seja tão bom como o que se serve no Atalho Real (aqui) ou no Akla (aqui) não deixa de ser um respeitável bocado de carne, servido à temperatura certa e bem temperado. 


Não é uma opção barata, principalmente se formos para os cortes bovinos no prato e considerarmos que estamos a comer num centro comercial, mas a qualidade é bastante decente, acabando por se tornar numa boa opção para quem quiser fugir das opções típicas e tradicionais!

Carniceria
Alcabideche, Portugal
Carniceria - Cascais Kitchen Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
Preço Médio: < 20 €
Data da Visita: 19 de Agosto 2016